Intervindo na ocasião, Carlos Mesquita exortou às equipas técnicas dos dois países a intensificarem a realização dos contactos necessários, reafirmando a disponibilidade total do Governo moçambicano para conceder todo o apoio que for necessário para a materialização do acordo.
“O entendimento representa um marco importante no fortalecimento da cooperação e amizade que caracterizam as históricas relações entre os governos de Moçambique e da Coreia do Sul”, referiu o governante.
Antes da assinatura do presente acordo, segundo lembrou Carlos Mesquita, os cidadãos da Coreia e de Moçambique, mesmo com autorização de residência no País acolhedor e encartados no país de origem, eram impedidos de conduzir, sendo sujeitos a novos exames de condução, para além de um conjunto de procedimentos prévios e desgastantes.
“Não obstante as inúmeras vantagens que o acordo oferece, impõe-se maior rigor e responsabilidade no processo de reconhecimento e troca de cartas de condução entre os dois países signatários. Não queremos a proliferação de cartas de condução falsas associadas ao processo de reconhecimento e troca de cartas de condução dos cidadãos coreanos no âmbito deste acordo”, alertou o ministro.
Por sua vez, o diplomata coreano Kim Heung-Soo indicou que Moçambique constitui o primeiro país africano a celebrar um acordo desta natureza com a Coreia do Sul, que já estabeleceu acordos similares com mais de 130 países.
“Acho que se demorou muito tempo para se assinar este acordo, mas finalmente conseguimos alcançar o objectivo e espero que através dele haja mais investimentos e cooperação entre ambos os países, assim como mais troca de experiências bilaterais”, concluiu Kim Heung-Soo.