Trata-se de uma infra-estrutura moderna e com equipamento de ponta, erguida numa superfície de 20.000 metros quadrados e que possui oficinas, escritórios, armazéns de peças, espaço de lavagem de autocarros, centro social e estação de tratamento de água rejeitada.

A oficina, com capacidade para prestar, anualmente, serviços de manutenção e reparação de 2.500 autocarros de diferentes origens, especialmente os produzidos na China, dispõe de equipamentos para diversas áreas, nomeadamente mecânica, electricidade, bate-chapa e pintura.
A construção desta oficina, que contou com o apoio da República Popular da China, no âmbito da cooperação entre os dois Estados, constitui uma das apostas do Governo para a melhoria da qualidade, segurança e sustentabilidade do serviço de transporte prestado aos cidadãos.
Intervindo após o acto de entrega formal do empreendimento ao Governo moçambicano, Carlos Mesquita, ministro dos Transportes e Comunicações disse esperar que o investimento realizado, avaliado em cerca de seis milhões de dólares norte-americanos, impulsione a qualidade, sustentabilidade e segurança do transporte público no País, com destaque para as grandes cidades.
“Queremos evitar a situação recorrente de autocarros que não conseguem funcionar durante o seu tempo de vida útil por falta de manutenção”, asseverou o timoneiro dos Transportes e Comunicações.
A par da inauguração desta oficina, prosseguem outras medidas, como o reforço das frotas dos operadores públicos e privados, promoção da intermodalidade, bem como a melhoria da mobilidade urbana visando garantir ao cidadão um serviço de transporte de qualidade e fiável.
Estas acções, conforme explicou Carlos Mesquita, resultam do facto de o Governo ter consciência de que a solução do problema do transporte público precisa de medidas mais arrojadas.
Por seu turno, Su Jian, embaixador da República Popular da China, disse esperar que com a entrada em funcionamento da oficina os serviços de manutenção e reparação dos autocarros de transporte de passageiros sejam cada vez mais eficazes e sustentáveis.
No seu discurso, Su Jian referiu que “as empresas chinesas estão disponíveis para contribuir para que a oficina sirva também como uma plataforma de formação técnica e profissional do sector dos Transportes e Comunicações”.