Imprimir 

O Porto de Maputo projecta aumentar a carga manuseada dos actuais cerca de 17 milhões de toneladas, em 2013, para 40 milhões de toneladas até o ano de 2020. Estes resultados deverão ser o impacto dos investimentos que têm estado a serem realizados nos últimos anos, no quadro da implementação do Plano Director, avaliado em cerca de USD 1.8 mil milhões.

O Porto de Maputo está em franco crescimento, registando aumentos significativos das suas operações. Até Novembro de 2013 já havia manuseado cerca de 17 milhões de toneladas, contra cerca de 15 milhões de toneladas manuseados no ano de 2012, mais 3 milhões de toneladas manuseadas em 2011. Estes dados foram revelados por Osório Lúcas, Director Executivo do Porto de Maputo, durante a visita do Ministro dos Transportes e Comunicações, Gabriel Muthisse, ao Porto de Maputo, em Dezembro, último.

Muthisse visitou o Porto de Maputo para se inteirar dos projectos de reabilitação e expansão do Porto, nomeadamente a reabilitação de estradas e linhas-férreas internas, a expansão do portão 1 (acesso de pesados), a construção de um novo terminal de carga a granel e expansão de diversos outros terminais como o terminal de carvão da Matola e o terminal de contentores. 

Durante a visita o Ministro dos transportes e Comunicações procedeu a inauguração do rebocador baptizado com o nome de «Bulani», equipamento bastante importante para auxilio das manobras de atracação dos navios. 

O Porto de Maputo foi concessionado pelo Governo Moçambicano à MPDC em 2003 mas ganhou uma nova dinâmica em 2008 quando a Grindrod e a DP World adquiriram a maioria das acções da Portus Indico, o maior accionista (51%) e financiador do projecto. Desde então, foram implementadas melhorias na gestão, operações, modernização e competitividade do porto bem como na melhoria das relações institucionais com o Governo de Moçambique e outros parceiros relevantes. Como resultado deste ambiente, em 2009 o Governo de Moçambique aprovou a extensão da concessão por um período adicional de 15 anos (2033) de forma a permitir a implementação total do Plano Director do Porto.

A Sociedade de Desenvolvimento do Porto de Maputo (MPDC) é uma empresa privada, nacional, que resulta da parceria entre os Caminhos de Ferro de Moçambique, Grindrod, DP World e Mozambique Gestores.  

A dragagem do canal de acesso ao Porto de Maputo foi concluída com sucesso no ano passado e serviu de âncora para a implementação do Plano Director, uma vez que permitiu que o Porto passasse a receber navios de até 65.000 toneladas. Em 2014 está prevista mais uma dragagem, passando dos actuais -11 metros para -14 metros.

A MPDC detém os direitos de financiamento, reabilitação, construção, operação, gestão, manutenção, desenvolvimento e optimização de toda a área de concessão. A empresa tem também poder de Autoridade Portuária, sendo responsável pelas operações marítimas, reboque, estiva, operações nos terminais e armazéns, bem como planeamento e desenvolvimento portuário.